Área do Cliente

INSS: Saiba como comprovar trabalho autônomo para a Aposentadoria

Dúvida muito comum entre os segurados contribuintes individuais do INSS é sobre como comprovar trabalho autônomo para aposentadoria. Por isso, é fundamental saber como realizar o processo para não perder tempo de carência, contar tempo de contribuição e ainda garantir seus direitos previdenciários.

Neste texto, vamos esclarecer alguns pontos sobre o assunto para que você tenha todas as informações necessárias para conquistar sua aposentadoria como autônomo. Confira!

 

QUAIS SÃO AS REGRAS APLICÁVEIS AOS AUTÔNOMOS?

Os profissionais autônomos devem fazer o próprio recolhimento da contribuição previdenciária, sempre de acordo com os rendimentos que tiveram em determinado mês. Sendo segurados obrigatórios do INSS, caso recebam pagamentos naquele período são obrigados por lei a fazer o recolhimento da contribuição.

Isso é importante para garantir o direito aos benefícios previdenciários fundamentais, como o auxílio-doença, aposentadorias, pensão por morte, entre outros. Por outro lado, se o segurado não paga a contribuição em dia, não comprova o período de carência necessário para requerer os benefícios, o que pode ocasionar a perda do direito.

 

QUAL É A DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FAZER OS PAGAMENTOS?

Outra dúvida comum sobre como comprovar trabalho autônomo para aposentadoria é em relação à documentação necessária para fazer os pagamentos. Para isso, o segurado deve comparecer até uma agência do INSS e fazer a retirada das Guias de Previdência Social (GPS), que servem como o carnê de contribuição para fazer o recolhimento.

Além disso, é importante preencher todos os campos com os dados corretos e utilizar o salário de contribuição de acordo com os rendimentos que o trabalhador teve naquele mês. Verifique também o código do segurado, pois existem opções em que a contribuição é menor, mas não há direito à contagem de tempo de contribuição.

Nesse momento é fundamental contar com um advogado especialista no assunto para verificar todos os dados e garantir que os pagamentos sejam realizados da forma correta.


É POSSÍVEL FAZER PAGAMENTOS RETROATIVOS?

Caso o segurado tenha trabalhado como autônomo em determinados períodos, mas não tenha realizado os recolhimentos devidos, é possível fazer o pagamento retroativo. Se o pagamento é feito para contribuições em atraso, o autônomo precisará comprovar o trabalho na época em que deseja realizar os recolhimentos. Para isso, é preciso apresentar:

   • extratos bancários;
   • contratos de prestação de serviço;
   • recibos de pagamento;
   • declaração de imposto de renda.

Dependendo da atividade que o segurado realizava, outros documentos podem ser necessários. Por isso, é importante analisar cada caso para saber como fazer o pagamento retroativo. Vale lembrar que esses pagamentos atrasados não contarão para carência, somente para contagem de tempo de contribuição, então é fundamental fazer um bom planejamento e simulações para verificar se isso vale realmente a pena.


O QUE FAZER SE O INSS NÃO RECONHECER O PERÍODO?

Em alguns casos, os segurados fazem o pedido de algum benefício e ele é negado, geralmente porque o INSS não reconhece algum período de trabalho. Isso pode ocorrer por vários motivos, como um erro no sistema da Previdência, a falta de comprovação de atividade, pagamentos atrasados, etc.

Nesse momento, uma das primeiras coisas a se fazer é apresentar um recurso administrativo ao próprio INSS, comprovando o período de trabalho e os pagamentos realizados. Outra alternativa é propor uma ação judicial. Nela, o advogado juntará todos os documentos que comprovam o trabalho e os recolhimentos para que o juiz analise e averbe aquele tempo e conceda a você o benefício previdenciário.

Saber como comprovar trabalho autônomo para aposentadoria é fundamental para garantir seus direitos e ter uma renda mensal, principalmente depois de vários anos de trabalho. Para isso, antes de entrar com o pedido de benefício, não esqueça de contar com um advogado especialista para realizar simulações e verificar se o pagamento atrasado realmente vale a pena.

 

Fonte: www.jornalcontabil.com.br - 22/11/2019

Cotações e Índices

Moedas - 28/02/2020 16:04:49
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,498
  • 4,499
  • Paralelo
  • 4,420
  • 4,700
  • Turismo
  • 4,320
  • 4,680
  • Euro
  • 4,948
  • 4,951
  • Iene
  • 0,042
  • 0,042
  • Franco
  • 4,644
  • 4,647
  • Libra
  • 5,734
  • 5,779
  • Ouro
  • 237,690
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Saiba mais ...

Agendas Tributárias

  • 28/Fevereiro/2020
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral.
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável.
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos.
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física.
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal.
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut | Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB).
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias.
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.
  • Contribuição Sindical - Autonomos e Profissionais Liberais.
  • Operações com criptoativos
  • Informe de Rendimentos Financeiros - PJ.
  • Comprovante de Rendimentos - Pessoas Físicas.
  • Comprovante Anual de Retenção do IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep.
  • Comprovante Anual de Retenção da CSL/ Cofins/PIS-Pasep.
  • IPI (DIF-Papel Imune).
  • Decred.
  • Dirf.
  • Dimob
  • e-Financeira.

Saiba mais ...

Rua Evaristo da Veiga, 35 Sala 1406
Centro - Rio de Janeiro - RJ  |  CEP: 20031 925

(21) 25323258 - (21) 25323911 - (21) 22203550

Desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)