Área do Cliente

Dólar sobe mesmo após leilão extra do BC

Moeda chegou a R$ 4,19, maior cotação do ano durante os negócios, após o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, dizer que a recente desvalorização do real está 'dentro do padrão'.

O dólar opera instável na tarde desta terça-feira (27) depois de atingir R$ 4,19 após o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, dizer que a recente desvalorização da taxa de câmbio está dentro do padrão normal. O mercado também continua acompanhando os desdobramentos da guerra comercial.

Às 13h57, a moeda norte-americana tinha alta de 0,65%, vendida a R$ 4,1638. Na máxima até agora, chegou a ser vendida a R$ 4,1923, a maior cotação do ano durante os negócios. Mas a moeda perdeu força após o BC anunciar leilão adicional de dólares à vista, com taxa de corte de R$ 4,1250. O volume de dólares ofertado não foi informado. Na mínima do dia, a cotação foi a R$ 4,1211.

Mais cedo, o BC já havia vendido US$ 550 milhões no mercado à vista, mas a operação estava associada a uma venda de mesmo montante em swaps cambiais reversos.

No dia anterior, a moeda norte-americana fechou em alta de 0,29%, a R$ 4,1369.

"O real nos últimos dias tem tido desvalorização um pouquinho acima, mas está bem dentro do padrão normal", disse o presidente do BC em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal.


Para analistas, a fala sinaliza que o BC pode não atuar de forma adicional para conter a depreciação do real.

"Ele (Roberto Campos Neto) fez o mercado piorar com isso", disse um gestor à Reuters.

Nos últimos dias, cresceu o coro de analistas que questionam a postura conservadora do BC no câmbio, percepção que, segundo operadores tem ampliado a alta dólar, motivada originalmente pela incerteza externa.


"O real está se aproximando de seu próprio ponto de quebra. Esperamos altas para acima das máximas recentes, o que abriria espaço para uma aceleração (da valorização) a partir de agora", disse à Reuters Mark Newton, analista técnico da Newton Advisors.

O dólar tem sido usado como hedge por agentes de mercado após o diferencial de juros entre o Brasil e o mundo cair a mínimas recordes. Com isso, o custo de se manter comprado na divisa diminuiu.

Ainda na cena doméstica, permaneciam no radar as questões políticas envolvendo os ruídos sobre a falta de controle do governo do desmatamento na Floresta Amazônica, com o presidente Jair Bolsonaro se reunindo nesta terça-feira com governadores da Amazônia Legal e outros membros do governo.

Além dos ruídos políticos no Brasil, analistas aguardam sinais do BC sobre rolagens de US$ 3,8 bilhões em linhas com compromisso de recompra, recursos que devem deixar o mercado no começo de setembro.

Guerra comercial
O mercado também continua acompanhando os desdobramentos da guerra comercial. As opiniões dos analistas sobre o clima em torno das negociações comerciais entre Estados Unidos e China eram mistas, com alguns demonstrando expectativas de uma resolução iminente, e outros reticentes depois que uma autoridade chinesa disse que não soube de nenhum telefonema entre os dois lados.

"Há um certo apetite ao risco, mas o mercado de moedas em geral está meio de lado. Não temos nada de novo. Talvez tenhamos chegado ao ponto máximo das tensões e agora estamos sujeitos a quaisquer declarações de ambos os lados", diz o economista sênior do Banco Haitong, Flavio Serrano.

fonte: g1.globo.com   | 27/08/2019

Cotações e Índices

Moedas - 27/02/2020 10:26:02
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,469
  • 4,469
  • Paralelo
  • 4,380
  • 4,650
  • Turismo
  • 4,290
  • 4,650
  • Euro
  • 4,899
  • 4,901
  • Iene
  • 0,041
  • 0,041
  • Franco
  • 4,608
  • 4,612
  • Libra
  • 5,767
  • 5,772
  • Ouro
  • 232,000
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Saiba mais ...

Agendas Tributárias

  • 28/Fevereiro/2020
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral.
  • IRPJ | Imposto de Renda Pessoa Jurídica | Renda variável.
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos.
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física.
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal.
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut | Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB).
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias.
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.
  • Contribuição Sindical - Autonomos e Profissionais Liberais.
  • Operações com criptoativos
  • Informe de Rendimentos Financeiros - PJ.
  • Comprovante de Rendimentos - Pessoas Físicas.
  • Comprovante Anual de Retenção do IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep.
  • Comprovante Anual de Retenção da CSL/ Cofins/PIS-Pasep.
  • IPI (DIF-Papel Imune).
  • Decred.
  • Dirf.
  • Dimob
  • e-Financeira.

Saiba mais ...

Rua Evaristo da Veiga, 35 Sala 1406
Centro - Rio de Janeiro - RJ  |  CEP: 20031 925

(21) 25323258 - (21) 25323911 - (21) 22203550

Desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)