Área do Cliente

Arrecadação do governo federal sobe 4,47% em 2018 e é a melhor desde 2014

Segundo o Fisco, houve melhora na arrecadação com vendas de bens (5,8%), de serviços (0,9%)

Segundo o Fisco, houve melhora na arrecadação com vendas de bens (5,8%), de serviços (0,9%) e na massa salarial (0,94%) em dezembro, frente ao mesmo mês de 2017

O governo federal arrecadou R$ 1,457 trilhão com impostos em 2018, o que representa uma alta real (descontada a inflação) de 4,47% em relação ao ano anterior. Este foi o melhor desempenho desde 2014, segundo a Receita Federal. 

O resultado foi possível depois da divulgação dos dados de dezembro, que registraram ganhos de R$ 141,5 bilhões no mês — o que representa uma alta real de 18,34% em comparação com o mesmo mês de 2017. Os números foram apresentados na manhã desta quinta-feira (24/1), durante coletiva de imprensa. 

Segundo o Fisco, houve melhora na arrecadação com vendas de bens (5,8%), de serviços (0,9%) e na massa salarial (0,94%) em dezembro, frente ao mesmo mês de 2017. A Receita aponta que o resultado traduz a retomada da atividade econômica. Mesmo assim, os ganhos com a produção industrial tombaram 0,6% e o valor em dólar das importações recuaram -6,47%.

Considerando os efeitos não recorrentes nas contas, o governo federal arrecadou R$ 4 bilhões em dezembro. Foram R$ 2 bilhões relativos ao Programa de Regularização Tributária (PRT), mais conhecido como Refis, que é uma forma do governo federal dar descontos e parcelar dívidas de empresas com a Receita Federal. Além disso, as alíquotas do PIS-Cofins sobre os combustíveis resultaram em ganhos de R$ 2 bilhões para o governo. 

Excluindo os efeitos extraordinários, a arrecadação federal teria tombado 1,46% em dezembro, atingindo R$ 138,6 bilhões. 

2018

De acordo com a Receita, todos os indicadores apontaram para uma melhora na arrecadação do ano passado, em comparação com 2017: produção industrial (2,3%), vendas de bens (5,28%), vendas de serviços (0,37%), massa salarial (2,82%) e valor em dólar das importações (19,38%). 

O resultado mostra que a atividade econômica foi mais forte em 2018 do que em 2017, mesmo com melhora tímida. Enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) de 2017 atingiu variação de 1%, as estimativas do mercado apontam que a atividade econômica vai expandir 1,3% no último ano. 

Segundo os dados do Fisco, as receitas extraordinárias foram muito importantes para elevar a arrecadação do governo federal. O Refis contribuiu com R$ 20,8 bilhões a mais em 2018, enquanto o PIS-Cofins ajudou com outros R$ 29 bilhões. 

Eliminando esses fatores, o ganho total do governo seria de R$ 1,419 trilhão. Mesmo assim, o resultado teria uma alta real de 3,41% em comparação com 2017, o que reforça o princípio de retomada da economia. 

fonte: fenacon.org.br | 25/01/2019

Cotações e Índices

Moedas - 21/02/2020 16:08:41
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,392
  • 4,393
  • Paralelo
  • 4,330
  • 4,600
  • Turismo
  • 4,220
  • 4,570
  • Euro
  • 4,741
  • 4,744
  • Iene
  • 0,039
  • 0,039
  • Franco
  • 4,469
  • 4,472
  • Libra
  • 5,669
  • 5,673
  • Ouro
  • 228,110
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

Saiba mais ...

Agendas Tributárias

  • 23/Fevereiro/2020
  • ICMS/SCANC | Refinaria de Petróleo e suas bases, nas operações com combustível derivado de petróleo, nos casos de repasse (imposto retido por outros combustíveis).

Saiba mais ...

Rua Evaristo da Veiga, 35 Sala 1406
Centro - Rio de Janeiro - RJ  |  CEP: 20031 925

(21) 25323258 - (21) 25323911 - (21) 22203550

Desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)